domingo, agosto 31, 2008

ET de Varginha


Varginha, MG, transformou-se na capital brasileira da ufologia desde que o relato da visão de uma criatura estranha por três garotas ultrapassou suas montanhas e correu mundo.
Elas garantem que atravessavam um terreno baldio às 15h30 do sábado 20 de janeiro de 1996 quando, a sete metros de distância, viram um ser marrom-escuro de pele viscosa. Estava agachado, com os braços compridos entre as pernas. Assustadas com a figura, que tinha olhos vermelhos e três protuberâncias na cabeça, as garotas saíram em disparada. O mais extraordinário contato de terceiro grau já relatado no Brasil ganhou projeção ao ser associado a outros testemunhos e até a mortes misteriosas
O Caso Varginha

Alguns dias antes de 20 de Janeiro de 1996. Uma movimentação de UFOs é detectada pelo sistema de rastreamento por satélites dos EUA. Descobre-se que o foco das movimentações é o Brasil, no Sul de Minas Gerais. As Forças Armadas Brasileiras são alertadas.
Dia 13 de Janeiro de 1996, uma semana antes dos principais acontecimentos em Varginha,o piloto de ultra-leve, Carlos de Souza, de São Paulo, vê um artefato alongado e sem asas a menos de 15 km do trevo que liga a Rodovia Fernão Dias à estrada que dá acesso a Varginha. Passa a seguir visualmente o objeto, que parecia em dificuldades, alternando altitude e rota, com uma abertura em sua parte anterior de onde saía uma névoa. Na direção de Belo Horizonte, após 10 km do trevo de Varginha, observa que o objeto desaparece atrás de morro, na Fazenda Maiolini. Tomando a estrada sem asfalto, vê vários destroços metálicos sendo recolhidos no pasto por Militares. No local havia dois caminhões, um helicóptero e uma ambulância do exército.
Um pedaço maior do objeto acidentado, do tamanho de um automóvel, é colocado na carroceria do caminhão. Milhares de pequenos pedaços e destroços espalham-se pelo pasto. Carlos de Souza é abordado por militares pedindo que se retire do local e “esqueça do que viu”. Voltando ele pára num posto de gasolina e é novamente abordado por dois homens, que aconselham-no a não comentar, com quem quer que seja, o que presenciou.Esse depoimento não foi confirmado por outros, ficando isolado, após as investigações dos ufólogos nas fazendas, sítios e casas daquela região.
20 de Janeiro de 1996, por volta de uma da madrugada. A Sra. Oralina Augusta de Freitas sai na janela da sede da fazenda de propriedade do Sr. Castilho, situada a 10 km de Varginha, à beira da rodovia que liga a cidade à Fernão Dias. O gado estoura, correndo em disparada. Ela observa um artefato alongado, que soltava uma névoa de uma parte que parecia “rasgada”, à frente da fuselagem.
Grita pelo marido, Eurico Rodrigues de Freitas, que dormia. Eurico também avista o objeto, que pairava sobre o pasto a no máximo cinco metros. Para percorrer um espaço de aproximadamente 500 metros, o objeto leva quase quarenta minutos. E desaparece após o morro, na direção da cidade.
20 de Janeiro de 1996, 8:30 hs. Seis homens do Corpo de Bombeiros de Varginha dão busca a um “bicho” avistado por alguns populares, primeiramente na base de uma construção, no Bairro Jardim Andere. Depois, a “criatura” é avistada movendo-se lentamente, na direção de um eucaliptal pertencente ao Sr. José Gomes, após a linha férrea, no grande pasto nos fundos do Jardim Andere.
Um homem, o operário de construção Henrique José, testemunhou todo o incidente do terraço de uma casa vizinha ao parque e mais tarde, contou aos investigadores que quatro bombeiros encurralaram a criatura com suas redes, aprisionaram-na em uma caixa de madeira e depois a entregaram aos militares.
Após cerca de duas horas de procura, Bombeiros localizam o “ser” e o apanham numa rede para captura de animais. Um caminhão de transporte de tropas da Escola de Sargentos das Armas, também está no local. A “criatura” é colocada numa caixa na caçamba, coberta por pano ou lona e emite uma espécie de zumbido.
O caminhão sai em disparada para Três Corações e entra na Escola de Sargentos das Armas.
20 de Janeiro de 1996, por volta de 13 hs. O Sr. “X”, que fazia caminhada pela região do final do Jardim Andere e pelos pastos das proximidades, avista seis homens com trajes militares em formação de busca, portando fuzis automáticos e outras armas, exatamente próximo do eucaliptal onde se dera a primeira captura.
Correndo em busca de um ponto melhor de observação, o Sr. “X” ouve três tiros de fuzil.Logo depois avista aqueles homens subindo pelos terrenos anteriores ao pasto, carregando dois sacos. Num deles algo se mexia.
20 de Janeiro de 1996, 15:30 horas. Liliane Fátima Silva (16 anos na época), sua irmã Valquíria Aparecida Silva (14) e Kátia Andrade Xavier (22), tentam caminho mais curto para o bairro Santana, vizinho ao Jardim Andere. Ao passarem ao lado de uma oficina mecânica, na Rua Benevenuto Braz Vieira, duas quadras acima do pasto e eucaliptal, param surpresas diante de uma “criatura” cuja pele brilha como se estivesse bezuntada com óleo. O “ser”, de olhos vermelhos e arredondados, saltando para fora das órbitas, sem pupila e íris, agachado ao lado do muro da oficina mecânica, volta lentamente a cabeça na direção das garotas. Elas não se recordam de características de boca e nariz daquele “ser”.
Com veias arroxeadas e saltadas à altura das espáduas, com longos e finos braços e pés enormes, traz na caixa craniana avantajada três protuberâncias, dando a impressão de chifres.As três garotas gritam e disparam em direção à sua residência, onde chegam em prantos e em pânico.
20 de Janeiro de 1996, 17:30 hs. Uma chuva torrencial com queda de granizo amedronta a população. Depois do temporal dois militares chegam ao terreno onde as três garotas tinham avistado o estranho ser. Algo com cabeça, tronco e membros, passa pela frente do automóvel e tenta esconder-se no pasto.
O policial Marco Eli Chereze, 23 anos, corre e agarra a criatura pelo braço, colocando-a no banco traseiro do carro e levando para o Hospital Regional. A movimentação da Polícia, Bombeiros e do Exército causa histeria no hospital, onde doentes são transferidos de alas e funcionários instruídos a se calarem.
21 de Janeiro de 1996, madrugada. O “ser” é transferidoo Hospital Humanitas, em ambulância, sem alarde. Do Humanitas o “material” é retirado na segunda-feira seguinte, dia 22, por volta de 17:30 horas.
A “criatura” está morta. O transporte começa com a colocação do “ser” numa caixa de madeira, coberta por lona plástica e colocada na caçamba de um caminhão de transporte de tropas, cuja traseira estava no portão dos fundos do hospital. Vários veículos militares e alguns civis fazem parte do comboio. Pessoas trajadas com roupas brancas e máscaras médicas, estão presentes.O ser exala um insuportável cheiro de amoníaco.
O comboio parte para a cidade de Três Corações e para dentro da Escola de Sargentos das Armas.
Dia 23 de Janeiro de 1996, às cinco da manhã. O mesmo comboio parte para Campinas-SP, conduzindo duas cargas. O cadáver retirado do Hospital Humanitas e uma caixa ventilada contendo algo vivo. Após parada na Escola Preparatória de Cadetes, em Campinas, outros veículos militares conduzem o “material” para as instalações da UNICAMP. Durante uma semana uma equipe de pesquisadores e cientistas cuida de análises, exames e testes nas “criaturas”. Dela faz parte o conhecido médico legista Prof. Fortunato Badan Palhares. Trabalhos são realizados no “material” inclusive em um laboratório com instalações modernas. Não se sabe o destino de tais “seres” após Campinas.
Em 7 de fevereiro de 1996, Marco Eli Chereze submete-se a uma cirurgia para retirar uma pústula da axila direita. Com fortes dores e início de paralisação, é internado e morre oito dias depois, de tromboembolia séptica pulmonar, conforme conclusão de necropsia. No sangue é detectada a presença de 8% de cultura desconhecida, uma vez
que o policial fora vítima de infecção generalizada.

12 comentários:

BETY-HERMES disse...

Eu gostaria de saber qual foi a ameaça que a população sofreu que parece que está todo mundo com medo. Por que fica bem claro que esta população não está mentindo. A midia que faz com que pareça que eles inventaram isso tudo, o que com certeza não é verdade.

guh disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Naty disse...

Gente que ignorância absurda!!!
Impossível crer nestas coisas... Não consigo acreditar que existem pessoas que creêm numa coisa dessas...

pamalagoli disse...

Naty, Naty, Naty... ignorância é pensar que existe vida só aqui na Terra. Os próprios cientistas, que na sua maioria são céticos, como você, dizem que o universo é infinito e que pode haver vida em outros planetas. Aqui, na Terra, a vida se baseia no carbono, água, etc., mas em outros planetas ela deve ter se formado a partir de outros elementos, por isso é que existe essa diversidade de relatos de criaturas diferentes entre si, como a de Varginha. Aqui na Terra não aceitamos nem a cor diferente da pele, quanto mais seres com fisionomia diferente de outros palentas. Assim como nós estamos adiantados na evolução em relação a muitos planetas habitados do universo, também estamos muito atrasados em relação a outros, que já possuem a tecnologia para viajar entre sistemas solares e talvez até entre galáxias. Na minha opinião, os ET's ainda não fizeram contato conosco por causa da nossa natureza belicosa (leia-se governos). Imagine um UFO ou ET, com toda sua tecnologia avançadíssima, cainda na mão de certos países (ao que tudo indica isso já aconteceu). Certamente usariam para ter poder sobre o resto da humanidade. Você provavelmente me perguntaria porque eles não aparecem para todo mundo? Você há de concordar comigo, a nossa humanidade ainda não está preparada moral e espiritualmente pra manter um contato com eles. Pense sobre isso. Pra que Deus criaria um universo imenso e sem fim para haver vida só aqui? Você se lembra daquela frase de Jesus: " Na casa de meu Pai existem muitas moradas...". Pois é, ele mesmo já nos adiantou a mais de 2000 anos atrás, mas muita gente ainda não entendeu!

jose antonio disse...

esta foia maior mentira a respeito de varginha eu tenho vergonha de ser varginhense tem gente ganhando dinheiro com isso e a mais velha das que viram eu conheço bem nao e de confiança recebeu para mentir.tem gente grauda por tras desta mentira.

jose antonio disse...

a cidade de varginha sempre teve destaque no sul de minas.esta mentira do et.quem pagou para que as meninas menticem padronizou todas revista,estatuas.lembranças do et.e e de familia rica na cidade.eu era comerciante nesta data e era bem perto de onde se relata onde eles parareceram.tudo mentira.

jose antonio disse...

COMO DISSE [jesuS] NA CASA DO MEU PAI EXISTE VARIAS MORADAS,MAIS E PARA OS QUE FOREM SALVOS DA TERRA E NAO DO ESPAÇO.SE EXISTIR VIDA EXTRA TERRESTRE JAMAIS PODEREMOS SER FILHOS DE DEUS,E NEM SER SUA IMAGEM E SEMELHANÇA,E TEM MAIS JAMAIS DEUS IRIA PERMITIR OUTRO SERES TER ESTE CONTATO COM O HOMEN A NAO SER SATANAS.VAI LER ABIBLIA

Walter Ice disse...

Alguma coisa estranha aconteceu em Varginha não há dúvida. Prova disso são os depoimentos da irmã do PM que morreu, e do casal de caseiros na fazenda, que viram a nave. A irmã do PM falecido disse o seguinte: 9 dias antes do ocorrido OS AMERICANOS JÁ SABIAM QUE UMA NAVE ALIENÍGENA HAVIA SAÍDO DA ROTA E IRIA CAIR NO BRASIL, EM MINAS GERAIS, e tinham alertado as autoridades brasileiras. Mas eu acredito que essa nave e estes seres não são extraterrestres, mas sim VIAJANTES DO TEMPO, vindos do próprio futuro da Terra. São seres criados por engenharia genética para servirem de cobaias em viagem no tempo. A nave em que eles chegaram É UMA MÁQUINA DO TEMPO. São seres programados para isso, criados para isso, uma espécie de robôs biologicos vindos DO NOSSO PRÓPRIO FUTURO. Se você estudar física, o a conformação não retilínea do tempo e do espaço vai perceber que isso é possível. Desde as experiências de Nikola Tesla se conhece o potencial do eletromagnetismo de dobrar o espaço-tempo e abrir portais . Acontece que isso é mantido em segredo, por motivos óbvios. Quando os viajantes do tempo entram em nossa época eles tem dois inimigos: raios e proximidade com fios de alta tensão. Se surgirem em nossa época através de um portal e levarem um raio ou passarem perto de redes elétricas é o fim da linha para eles. As vezes portais espaço-tempo e inter-dimensões podem se abrir naturalmente, e se você entrar por um deles pode de repente se achar em outro local desconhecido. Isso aconteceu comigo uma vez, quando fazia trilha de moto. Por solte consegui voltar. Era uma espécie de floresta tropical fechada, o chão não tinha terra, era trançado igual peneira por uma vegetação grossa igual a casca de bananeira e do chão saíam coisas iguais figueiras do inferno. Havia um declive sem fim, parecia que estava subindo uma montanha, uma luminosidade pouca, igual a um fim de tarde. No meio dessa mata havia uns caras morenos, parecidos com indianos. Me ignoraram totalmente e lá no alto havia uma casinha com muros e uma lâmpada elétrica e uma menina usando umvestido de lã azul. Tudo era cercado por árvores enormes e vegetação muito verde, úmida, tudo com folhas muito grandes. Acho que apaguei uns segundos, quando acordei ergui a moto de novo e estava perto da trilha normal de novo. Tentei contar para as pessoas próximas, mas elas fazem como se não estivessem escutando. Pensam que estou mentindo. Mas eu compreendo. É difícil acreditar em certas coisas. Só se acredita quando acontece com a gente mesmo.

Mistérios da humanidade disse...

Muito bom o post!

Anônimo disse...

o ser humano é muitoignorante mesmo comonão acreditar nun fato tão concreto como esse comprovas e uma pessoa morta
as pessoas se tornaram imbecis com estas religões devotas do dinheiro e o emburrecimento que a tv aberta tras
assista os canais pagos a uma discussão aberta sobre ovnis pois são reais
o universo é infinito não somos a ultima bolcha no pacote
os seres só não nos contactam pois somos primitivos demais
ou vc entraria nua jaula com gorilas

Anônimo disse...

Não há dúvida de que algo ocorreu em Varginha e está sendo acobertado pelas autoridades. Por que construíram um muro alto fechando o lote onde supostamente teria sido encontrado um ser estranho? Por que o documentário feito por uma tv estatal de Minas Gerais,por ocasião do 10° aniversário do fato, não foi ao ar e nem foi dada uma explicação à própria equipe que o produziu? Por que, hoje, 22 de agosto de 2011, uma emissora de tv aberta exibiu uma reportagem longa sobre UFOs e não mencionou o ET de Varginha, logo o fato considerado como o maior mistério do século XX? Alguém responda, se puder e se deixarem responder.

Olba Frost disse...

Sou evangelico mas mesmo assim acredito acho que Deus não criou só o ser humano.
uma parte da biblia foi rasgada que era do avô de moisés nessa parte ele iria falar sobre a Vida fora da terra.
então a igreja católica leu e queimou em seguida. assim não poderemos saber a verdade sobre eles
mas em varginha conteceu algo msm
não há dúvidas disso.
o susto é bom para OS SERES CÉTICOS que tem medo de acreditar no dia que eles verem irão desmaiar de medo...

Postagens populares